Autor: itapua
postBlog_sta efigenia

No mês de maio de 2017 uma fiscalização realizada pelo IPEM – SP (Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo) realizou uma operação especial de fiscalização voltada as Lâmpadas de LED nas lojas da Santa Efigênia no centro da capital Paulista.

O resultado foi alarmante! 69% dos produtos estavam irregulares e foram apreendidos. As principais irregularidades foram a ausência das informações obrigatórias na embalagem e o uso indevido da marca Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia).

O grande número de lâmpadas de LED irregulares não se limita as lojas da Santa Efigênia, todo o mercado nacional está contaminado por produtos de baixa qualidade que trazem prejuízo para o bolso dos brasileiros e alimenta a criminalidade em todo o pais.

O cuidado na hora de comprar as Lâmpadas de LED é a única forma de lutar contra este mal. Por isso, na hora da compra, escolha lojas com credibilidade confirmada e fique atento aos selos na embalagem. Certifique-se que a marca que você está comprando é normatizada.

Fonte: abilumi.org.br
img_postBlog_normatizacao_2

NORMATIZAÇÃO DAS LÂMPADAS DE LED.
VOCÊ PRECISA CONHECER ALGUNS DETALHES.

Desde 17 de março de 2017 os varejistas e atacadistas estão obrigados a verderem lâmpadas de led com o selo ENCE (Etiqueta Nacional de Conservação de Energia) e a partir de 17 de setembro de 2017 esta mesma obrigatoriedade chega as Pequenas e Médias empresas.

Esta normatização é importante para garantir ao consumidor a qualidade do produto que está comprando. Por isso, a Itapuã Eletro selecionou 3 informações que você precisa saber antes de comprar sua próxima lâmpada de led.

  1. Os modelos certificados
    Só as lâmpadas LED com driver integrado estão previstas na norma. Isso inclui todos os modelos que não precisam de reator ou fonte externa, como as que imitam as incandescentes (A60), tubulares, PAR, AR 111, GU 10, etc. Os modelos que não passarem nos testes do Inmetro não irão receber seu certificado de produto. Aquelas coloridas (RGB) e as decorativas, como as fitas de LED, não estão certificadas neste regulamento, o que significa que elas podem ser comercializadas, mas não terão a obrigatoriedade de terem sua qualidade atestada.
  1. Informações da embalagem
    As embalagens das lâmpadas de LED terão em suas embalagens o selo ENCE (Etiqueta Nacional de Conservação de Energia) que comprova que um modelo passou pelo processo e segue o padrão do PBE (Programa Brasileiro de Etiquetagem). Este selo informa a potência (W), o fluxo luminoso (lm), e a eficiência luminosa (lm/W). A lâmpada LED também deverá apresentar a equivalência com relação à fluorescente, além da comparação com a incandescente que já existe na embalagem.
  1. A norma não padronizará as potências das marcas.
    A certificação LED avaliará a eficiência dos produtos analisados, mas não obrigará o mercado a seguir um padrão de potência. Como cada fornecedor trabalha com um produto diferente, pode ser que uma lâmpada de 9,5W de potência seja mais eficiente que uma de 12W. Por isso, conferir o fluxo luminoso e a eficiência luminosa é muito importante.
Referências: Portaria 144 – INMETRO
Referências: Portaria 143 de 2015 – INMETRO
Referências: Portaria 389 de 2014 – INMETRO